Peraí,volto já ;)

RicamatsuDestralha

#destinopositivo #féinabalável #gratidãosempre

Copyright © Destralha | Design by WebSuccessAgency

Mais alívio para a vida!

Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Como NÃO passar em concurso público


Que me perdoem os concurseiros de plantão, mas aonde vamos chegar com tanto funcionário público nas repartições públicas? Editais para a "vaga dos sonhos" publicados a todo momento dos mais variados órgãos, agências e entidades governamentais possíveis. É tanta gente querendo ter estabilidade, segurança e privilégios, que a vida parece ser uma eterna dança das cadeiras, onde quem não sentar logo, dança! Difícil essa vida de candidato. A concorrência é grande e o jeito é partir para outras profissões. Então, resolvi fazer este artigo para quem escolhe caminhos mais fáceis na vida, como escolher aquela profissão que talvez não tenha estabilidade, nem garantias, mas faz a gente mais satisfeito no fim do dia. Você vai aprender agora Como NÃO passar em concurso público!

Primeiro, escute a voz do seu coração. O que ela diz sobre o que você gosta de fazer? Quando criança, o que fazia seus olhos brilharem? O Maurício de Souza, queria desenhar desde pequeno e continua desenhando a Mônica até hoje. Sabe aquele momento que você fica pensando sozinho em alguma coisa boa, e sem perceber dá um sorriso de canto de boca? Isso pode ser o que você gostaria de fazer com prazer. Escute essa voz do coração. Ele nunca erra.

Segundo, pense no que é mais interessante: uma estrada reta ou uma curva sinuosa? Horizontes previsíveis ou montanhas misteriosas? Na linha reta, estável e segura da pra ver tudo que vai acontecer, de longe. Experimente a curva. Não bate aquela curiosidade de saber o que vem logo depois? Alice foi até a toca do coelho e olha quantas coisas interessantes ela viveu!

Terceiro. Prefira provas mais fáceis. As bancas dos concursos exigem muito de nós. Experimente provas mais tranquilas como criar algo novo para o mundo e tentar sobreviver ganhando por isso. Steve Jobs, por exemplo, nem conseguiu fazer a faculdade direito, coitado. Foi trabalhar em máquinas velhas pensando em coisas surreais e improváveis. Onde já se viu abrir uma empresa com o nome de Maçã?!

Quarto, deixe a concorrência pra lá. Esqueça essa coisa de candidatos por vaga. Tem alguém nesse universo igualzinho a você? Claro, que não. E se você é exclusivo aqui nessa vida, existe uma vaga exclusiva pra você trabalhar. E é você quem pode criá-la a qualquer momento que você quiser. Ocupe essa vaga! Se observar a vida com cuidado, verá que a todo momento chegam mensagens lhe chamando para tomar posse do cargo.

Quinto. Não se preocupe com a aposentadoria. Ninguém sabe o dia de amanhã, não é mesmo. O tempinho que você tiver de folga, carpe diem! Viva agora! Deixe de virar a noite e estudar todos os finais de semana. Você pode virar a noite numa balada e dormir sem se preocupar se tomou o remédio controlado ou se chegará atrasado no dia da prova.

Essas são algumas dicas sobre como NÃO passar em concurso público. Se quiser obter o conteúdo completo, faça esse primeiro módulo de 5 passos e a vida vai liberar o restante pra você. INTEIRAMENTE GRÁTIS! Eu sei que tem gente que ama o que faz. Mas, a cláusula pétrea desse curso é fazer o que ama. Pode começar e boa sorte!

14 comentários:

Valéria disse...

Hahahahahaha! Conheço um monte de gente que vai querer te matar depois que ler esse texto. Um deles é o meu marido! Mas ele é engenheiro, né? Vamos dar um desconto! Mas, brincadeiras à parte, é isso aí: nada supera fazer o que se ama! Beijo no coração!

Anônimo disse...

Achei sua idéias um pouco forçadas.....Ter que sempre ser criativo, feliz, etc também cansa. E, vamos combinar, nada melhor do que ter segurança financeira e emocional para poder relaxar e aproveitar a vida. Acorda Alice!

Junior Paz disse...

O que mais entendo dessa ideia de minimalismo é prestarmos mais atenção nas despesas que na receita.

Sempre estamos preocupado com o quanto ganhamos/ganharemos mas não queremos definir as nossas despesas. Segurança financeira que você quer dizer é ter o bastante para quê e até quando? A ideia do Rica é fazermos pensar nisso, eu acho!

Rica Matsu disse...

kkkkkkk Po Valéria! Fala pra ele não levar a mal, não é nada pessoal rsrs. Só quero ver as salas dos cursinhos caça-níquel vazias kkk Mas é isso se todos procurassem fazer realmente o que lhes tocam o coração esse mundo seria bem melhor né não? :) bejão no coração!

Rica Matsu disse...

Foi só achômetro mesmo Anônimo. Minhas ideias são completamente naturais e espontâneas. Hoje né, antigamente eu forçava para escondê-las rsrs. Mas nada de "tem que..." a criatividade é um processo natural e ser feliz é consequência. E o que é que viemos fazer nesse mundo se não criar!?Mas acho que não cansa não AHuahuha. A tristeza também é muito necessária, cara. Mas se ser feliz cansa quero morrer esgotado kkk. Discordo muito do seu pensamento, segurança pra mim é zona de conforto, coisa que estou me graduando em destruir. Relaxamento é preciso ser natural também, não para compensar os sofrimentos e aproveitar a vida. A questão financeira é a última coisa que eu penso hoje... a vida é muito abundante em todas as coisas é só a gente prestar atenção. Mas são escolhas né, podemos a qualquer tempo escolher ser feliz ou não. Inclusive acordar ou ficar dormindo anestesiado a vida inteira. Dá uma lida aí nos outros textos cara, só pra entender melhor essas ideias. Abração!

Rica Matsu disse...

Tipo isso mesmo Junior! É refletir pra ver onde tá indo a nossa bufunfa! Precisamos muito de grana claro. Mas de uma coisa tenho certeza. É que a "segurança" e ainda mais "financeira" é uma das últimas coisas que me preocupo hoje. Não que eu tenha grana suficiente, pelo contrário ahuahua. É só porque a vida é muuuuito ais que isso. Menos é mais! haha Abração rapah!

Maria Melo disse...

Sou funcionária pública há cinco anos e não aguento mais essa vaquinha entediante e já estou rolando-a precipício abaixo. Existe vida além de emprego público. Aliás de emprego, seja ele qual for. Vida mais feliz e mais divertida!!! Além disso, detesto ir para onde todo mundo está indo. Já já dou minha guinada rumo à liberdade!!!

Rica Matsu disse...

Hoje eu creio que mais um atestado de frustração essa história toda de concurso público, Maria. Só pela quantidade de vagas que vem e vão a cada ano, a cada edital, dá pra gente saber que tem algo muito errado. E só depois que a gente entra é que vê que não era nada daquilo que o "grande sonho" promete...
Quem bom que você já está muito consciente da sua guinada!!! É bem isso mesmo, existe vida além!! Abração e vamos a liberdade! :)

Rodrigo Pacheco disse...

Olá, Ricardo. Como vai?

Estou simplesmente encantado com seu texto. Você descreveu com clareza a vida que eu levava. Uma vida vazia, seguindo o filão da estabilidade financeira, e por conseguinte me violando, dia após dia. Preocupando-me apenas com dinheiro, satisfação familiar (ah, eu devo isto aos meus pais), e outros condicionamentos que são implantados pelo sistema de crença.
Hoje, estou me sentindo ótimo após ter rompido com o modo automático, e assumindo o leme da Nau da minha vida. Confesso que tentar explicar isso para amigos e familiares é dispendioso. As pessoas sempre criticam as escolhas alheias, sobretudo quando são dissonantes. Somos chamados de sem foco. Dissem que nós arrependeremos amanhã ou no futuro, sem saber o que anima o nosso coração, e também desconsiderando que precisamos viver AGORA. È a única certeza que temos. Adoram dizer que não temos razão. E quem falou que queremos ter razão? Só quero ser feliz. Eu só quero dá vida o que eu puder levar, o resto não tem a menor importância.

Que o amor esteja sempre com você, e também com os milhares de navegantes que passam por esta curva de rio.

Gratidão, Irmão.

Rica Matsu disse...

Valeu meu caro Rodrigo! Pra você ver quantas pessoas vivem essa realidade do funcionalismo público e do materialismo. Tudo é baseado nessa crença e é como você falou: explicar pode ser perda de tempo para quem vive "conectado ao sistema".

Muito amor e muita sorte, porque esse caminho que você escolheu a felicidade é certa meu irmão! Abração! _/\_ _/\_ _/\_

Metadede metade disse...

Maravilhosos ambos os textos, o seu, Ricardo, e o do Rodrigo... Quanto mais pessoas voltarem as costas para um "sistema" absolutamente já caduco e que já não cumpre com os objetivos a que se propôs, mais as mudanças virão. E que venham as mudanças, my God!!! Apesar de todos os lugares comuns e obviedades, o dinheiro realmente NÃO COMPRA A TAL FELICIDADE MESMO!!! E, mesmo esse mínimo, que TODOS os seres humanos necessitam para viver, seria muito mais facilmente resolvido se todos pudéssemos perceber o quanto a felicidade de um ou a infelicidade de um afeta TODOS NÓS!!! Se todos pudéssemos contribuir para que todos pudessem ter o mínimo necessário, que é, per si, um direito de TODO e QUALQUER ser vivo, iríamos descobrir o quão prazeiroso e gratificante seria viver com MENOS COISAS e MAIS TESÃO... Parabéns, queridos, textos fantásticos!!! Abraços carinhosos em ambos! _/\_

Rica Matsu disse...

Gratidãooo! :D E as mudanças estão vido! Estamos juntos nessa jornada. Não vai durar muito tempo esse sistema obsoleto. Porque as pessoas estão acordando para vida! Abraçaço!!! _/\_ _/\_ _/\_

Fabio Ribeiro disse...

Olá! Eu também sou servidor público. E acho que tudo o que vc escreveu está correto. Acertou em cheio! Fiz muitos concursos e passei em ótimas colocações. Entretanto, embora seja formado há 8 anos, nunca exerci minha profissão e, por isso, migrei para a área administrativa, mesmo contrariando os meus instintos. Uma violação mesmo que pensei estaria curada com o tempo. Mas a reflexão sempre vem e aí comecei a pôr em perspectiva e analisar as coisas. Nesse ano, eu decidi ressuscitar um projeto que me faz bem e eu tinha o encoberto sob o manto da mediocridade: o meu Doutorado. Ao conhecer as instituições que tinham a minha área de pesquisa, eu levitei! Reencontrei aquilo que sempre me fez bem, mas que eu tinha esquecido. Meus olhos brilhavam e , no fundo, voltei para o meu caminho inicial. E lembrei de quanto tempo eu perdi estudando aquelas tranqueiras, muitas vezes só para ter o nome no google e para as pessoas verem o quanto era bom! Quanta ilusão! Hoje vejo que o importante é simples, é natural, flui e não impaca. Muito obrigado por suas palavras! Eu penso que, antes de escolher o serviço público, as pessoas deviam basear-se em fatos concretos e não apenas no valor do salário. E ouso pensar que esse tipo de trabalho não é para todo mundo! Como cursinhos propagam por aí!

Rica Matsu disse...

É muito bom saber que você resgatou essa luz interior Fábio! Conheço poucas pessoas que conseguem se encontrar no serviço público e mesmo assim o sistema não consegue dar o espaço necessário para a própria criatividade delas. E o varejão dos concursos ainda permanece aquecido promovendo a vida dos sonhos...
Obrigado eu por contar aqui um pouco da sua história! É certo que tem muita gente que se encontra na mesma situação mas ainda falta a decisão de partir pra a vida dos sonhos que é realmente sentir-se feliz realizando o que diz o coração. Gratidão sempre!

Postar um comentário