Me

Vista o que vibra o coração.

Since 2018

A Destralha é uma marca independente que fornece: DESAPEGO, FELICIDADE, LEVEZA, SIMPLICIDADE, GRATIDÃO, AUTENTICIDADE, NATUREZA, CORAGEM, BEM-ESTAR, FORÇA, LIBERDADE, AMOR INCONDICIONAL, UNIÃO, ABUNDÂNCIA, INSPIRAÇÃO, entre outras goodvibes e flow-feelings. Nosso diferencial: fazemos isso em formato de camisetas e o que vier na imaginação.

  • Brasília, Distrito Federal - Brasil
  • www.destralha.com
  • destralha@gmail.com
Me

GRATEFUL LIFESTYLE

Feito para os que seguem o coração inspirados pela gratidão. MANIFESTAMOS EMOÇÕES POSITIVAS. IMPRIMIMOS BEM-ESTAR. TRABALHAMOS COM GRATIDÃO PARA VESTIR A SUA MELHOR VERSÃO.

O que faz o coração vibrar 50%
O sentimento de gratidão 50%
GRATEFUL LIFESTYLE 100%

Simplicidade

Nossa maior filosofia, nosso estilo de vida. "A simplicidade é o maior grau de sofisticação."Leonardo Da Vinci.

Gratidão

É a linguagem do Universo, o idioma da criação. A frequência da gratidão nos mantêm conectados com a abundância da vida.

Autoconhecimento

Quem conhece a si mesmo aproveita muito mais a vida e todo o potencial de felicidade que ela pode oferecer.

O que vem do coração

O maior valor do mundo vem do coração. Ele á a chave quando tudo é cadeado. Por isso seguimos o que faz ele vibrar.

O Brasil tem jeito

Estamos prontos para o crescimento. E podemos dar um jeito. Sim, nós vamos fazer um Brasil melhor. Topa?

Somos Todos Um

Fazemos parte de um grande organismo vivo chamado Terra, onde cada um é uma célula fazendo seu trabalho na evolução.

0
NOSSAS CAMISETAS
0
FACEBOOK
0
PROJETOS BENEFICIADOS
0
GRATIDÃO
  • Para você que acha que pode mudar o mundo


    "Desfaça tudo que a sociedade fez de você. Obviamente você precisará de muita coragem, pois quando começa a desfazer o que a sociedade fez de você, você perderá o respeito dela. Você parecerá estranho às pessoas. Você parecerá excêntrico. Isso é coragem no mais alto grau - adotar um tipo de vida em razão do qual as pessoas começam a achá-lo excêntrico." Esse trecho de uma das falas do Osho é o que resume minha vida neste exato momento. E por isso escrevo para quem se identifica com essa pegada.

    Não se trata de mudar o mundo. Pelo menos pra quem necessita de uma mudança em sua vida. Pra quem deseja apenas se adequar ao padrão, as atitudes "extra-normais" são vistas como arrogância de mudar o mundo. A questão é que há um equívoco nesse pensamento: o mundo não precisa mudar. Na verdade, o que precisa de mudança somos nós.

    E quando se refaz esse pensamento, essa ideia sobre mudar o mundo, trocando "o mundo" para o "nosso próprio mundo" vamos ver que existem muito mais possibilidades de ter uma vida boa. Tudo pode se representar como um grande aquário onde vivemos. Cercados por um campo invisível e rígido ao mesmo tempo. Aí tem aquelas fotos do peixe pulando para outro aquário, ou um aquário maior; sozinho ou acompanhado etc. Vale a pena também, resolve muitos problemas. Mas te proponho o seguinte: Quebre o aquário. Expanda seus limites e não dependa da água que te colocaram dentro para viver. Evolua a si mesmo para respirar todo o oxigênio que a vida oferece.

    Cada pessoa é um mundo diverso e parece muito complicado ser diplomata. Você é grandioso, não apenas um mero cidadão. Não é apenas brasileiro ou qualquer indivíduo atrelado a uma nação. Nem chinês, russo, indiano, ou qualquer pessoa ligada a seu país de origem. Cada um é um mundo único repleto de informação, conhecimento e talento. Cultura, jeito de ser, natureza - e sim, tem muitos locais e paisagens internas que podem ser visitadas. Cada ser é um pessoa procedente de seu próprio mundo, avançando na vida para melhorar a própria política.

    Ser excêntrico é só um jeito mal interpretado de dizer que se "tem personalidade". Você é excêntrico e talvez ainda não tenha descoberto, ou apenas conhece parte. Você pode ser a Ana que veio da Analândia o Richard que veio da Richardland, quem sabe a Maria que nasceu na República de Mary. Se lembra do Fantástico mundo de Bob? Pense diferente a respeito da vida em sociedade. O objetivo é a harmonia entre todos. Ótimo, sempre foi. E quando você começar a considerar cada um como um mundo ficará feliz ao ver que as atitudes dos outros para mudar o mundo - que é o seu próprio mundo - são muito legais, motivadoras e que beneficiam a todos!

    E se estas atitudes vão mudar ou não o mundo preconcebido de antes, não importa. O que interessa é que estará evoluindo para que quando acontecer um contato diplomático entre um e outro, será motivado pela curiosidade, compartilhamento e celebração da vida. Para você que acha que pode mudar o mundo, você está certo! Agora, é preciso muito mais força e coragem do que se fosse para mudar o "mundo". Você estará, antes de mais nada, mudando a si mesmo. Sabendo disso ao não, você já é a mudança que você quer ver no mundo!
  • Como uma viagem internacional muda nosso olhar sobre as pessoas


    Quem já morou fora do Brasil vai concordar comigo ao dizer que as pessoas parecem bem mais receptivas quando a gente retorna ao nosso país de origem. Acredito que é unanimidade, não sei. Cada experiência é única. A certeza absoluta que tenho é que o nosso olhar muda. E muda bastante, pois expandimos nossa consciência. Nesta expansão temos a oportunidade de aprender sobre o amor incondicional, um vislumbre da igualdade do ser humano.

    De fato, voltei da Nova Zelândia e apesar da suposta crise instalada no Brasil, qualquer um que eu tenha contato está sendo muito mais receptivo: nas conversas ocasionais, nos diálogos dentro do ônibus, com amigos, parentes, conhecidos ou não. E mesmo que eu vá numa loja onde o vendedor está com a cara feia ele me atende com empatia. Isso está acontecendo principalmente com desconhecidos. Estranho não? Talvez.

    Percebi uma coisa. Existe uma grande diferença entre viver num país miscigenado e viver num país onde várias raças convivem. Na miscigenação parece existir uma necessidade de inclusão de origens a, b ou c. E se não há maturidade suficiente sobre nossa própria identidade, a tendência é o julgamento do que é aceitável; adequado ou não. Em um país onde há o encontro de várias raças, você aprende a aceitar todas elas de forma inquestionável, digamos assim. Está mais aberto a conhecer as diferenças entre os povos e ainda fica curioso em saber como cada um se comporta. Quando vê, percebe que não tem lá tanta diferença assim de uma raça para outra. O próprio termo raça nem deveria existir.

    Claro que os costumes, cultura e hábitos têm sim grandes contrastes. Só que, no fundo somos todos seres humanos iguais. Conviva um tempo com um chinês, um indiano e um inglês, ou qualquer pessoa de outro país, todos ao mesmo tempo. Estude junto, trabalhe junto e você vai perceber que tem sempre aquele mais chato, o mais risonho, o namorador, a patricinha, a tímida, o zangado, o anfitrião. Todos tem seus sonhos e querem ser felizes.

    Logo, existe uma grande troca que, sem querer, faz a gente ser empático com o outro e incluir suas diferenças ao invés de excluir divergências. Não há nada melhor que você presenciar a interação entre pessoas de raças diferentes tentando se comunicar, com aquele cuidado para entender o que o outro quer expressar. Vivi isso em sala de aula entre alunos, vendo mães de países diferentes interagindo no parque, enquanto seus filhos brincavam nos playgrounds; durante o expediente no trabalho ao lado dos funcionários de vários países. Além de várias outras ocasiões.

    É uma ótima maneira se sentir um pouco do que possa ser o amor incondicional. As pessoas estão unidas por um motivo em comum e com isso tornam-se mais abertas a aceitar o outro como ele é. Morar fora é dar um aceite no contrato da fraternidade. Esta aceitação faz as pessoas se oferecerem para ajudar uns aos outros nas dificuldades que possam surgir, e uma vez que você recebe ajuda te dá uma vontade tremenda de ajudar também. Cria-se um ciclo do bem!

    Nas dificuldades que passei por lá fui ajudado de forma inesperada e outras vezes fui inesperado em ajudar outras pessoas que precisavam. Tudo de forma espontânea. É muito impressionante a motivação que se cria em querer ajudar o outro. Talvez nem todos os países sejam assim. Acho que acontece mais em lugares onde muitas raças se encontram. Por essa razão aumentou muito dentro de mim o sentimento de amar o outro de forma incondicional. Isto me ajudou muito a reduzir meus julgamentos internos. E é aí que está a cambalhota do gato!


    Depois de passar um tempo vivendo dessa forma, seu eu aprende a aceitar muito mais as pessoas, independente de qualquer coisa, e isto se reflete de alguma maneira em torno da sua pessoa. Se você vibrava em uma frequência de desconfiança, agora passa a vibrar na confiança, na receptividade, e assim todos passam a ser mais receptivos com você. Todos passarão a ter empatia porque o sentimento de aceitação é amor incondicional. E esse amor quebra qualquer badvibe!

    E você? Conta aí nos comentários como foi sua experiência. Sentiu algo parecido? E se você ainda não viajou pra fora, considere a possibilidade de voar! :D

  • Como mudar radicalmente sua vida em 3 passos


    Já está ficando pra lá de batida essa história de textos na internet com "10 passos pra isso", "5 passos pra aquilo...", "Como ser feliz em 314 passos e não perca o número 300 que é o fundamental" etc... E no final, o conteúdo não é nada mais que o que sempre foi falado a vida inteira, mas no formato marqueteiro da era digital. Por isso, listei 3 passos (de verdade) que vão mudar, realmente, sua vida. E claro, se você se permitir. Sem mais, olha aí:

    1. Parar de acumular coisas
    Ao invés de acumular coisas materiais utilize seus recursos para ter experiências, viver coisas memoráveis. O que é mais marcante pra você: ter uma casa grande para administrar, cuidar, fazer manutenção para o resto da vida, pagando altos impostos, ou usar parte da grana que você ia gastar com ela para fazer uma volta ao mundo e conhecer os quatro cantos do planeta? Prefere ter aquele carrão bonito para lavar e encerar todo fim de semana ou alugar um carro diferente a cada lugar novo que você conhecer? Pode até aprender a dirigir na mão contrária, como nos países ingleses!

    2. Fazer uma viagem para fora do seu país

    Definitivamente, viajar não é para poucos. É para todos. Saia um pouco do lugar onde você está para sentir e respirar outros ares. Isto vai levar você a situações tão diferentes que verá as anteriores com muito mais clareza. Além de dar uma lavada na sua alma. Quanto mais longe, maior a dimensão da nova visão que você terá da sua vida e da de todas as outras pessoas. O mundo nunca mais será o mesmo para você. Você não será mais o mesmo para o mundo. Ou melhor, o mundo será o mesmo globo que gira, como aquele que você via na infância em cima da mesa do professor. Porém , você o terá visitado ao vivo.

    3. Aprenda um novo idioma

    "Se eu nem sei minha língua direito, vou aprender outra pra quê?" Eu poderia listar diversos benefícios sobre aprender uma nova língua, mas prefiro destacar apenas um: conversar com pessoas do mundo todo, conhecer a realidade delas. E não se subestime! Especialmente nós que somos brasileiros: a língua portuguesa é uma das mais difíceis do mundo (todos os gringos falam isso). Acredite, não será tão difícil falar outro idioma.

    Pronto! E aqui não prometemos nada, você é que vai se garantir. A certeza é de que esses passos mudarão sua vida radicalmente! Tire a prova. Acabei de ter uma experiência como esta e assim que estou mudando minha vida para melhor. Passos são iguais para todos, mas a pegada é exclusivamente sua!

    Me conta na volta?

    Abração e gratidão! Sempre!


  • Conheça nossa loja, está ficando incrível!

    Em breve um novo jeito de compartilhar nossa gratidão!

    O criador da Destralha e o cara mais grato dos últimos tempos! _/\_